Sábado, 9 de Outubro de 2010


No próximo dia 5 de Outubro, o regime republicano português celebrará os seus cem anos. Foi implantado no dia 5 de Outubro de 1910, após vários séculos de monarquia. Um centenário é sempre motivo de celebração, mas também de balanço e memória. Como todos os regimes, a República Portuguesa tem luzes e sombras. Vejamos a história mais de perto, nomeadamente as relações entre República e Igreja Católica. Hoje, está instaurada a Concordata de 2004, mas no início não foi bem assim. Mal tomou conta do país, a Primeira República (1910-1926), de forte cariz maçónico e jacobino, declarou guerra à Igreja Católica. Um pacote de medidas anticlericais, na senda do Marquês de Pombal e de Joaquim António de Aguiar (o mata frades), entrou em vigor, com o intuito de se promover a laicização do Estado e da sociedade portuguesa: proibição do ensino da doutrina cristã nas escolas primárias e normais; extinção da Faculdade de Teologia e da cadeira de Direito Canónico no curso de Direito; eliminação dos feriados religiosos do calendário civil; a introdução do divórcio e da exclusiva validade jurídica do casamento civil; instituição do registo civil obrigatório e remunerado. A culminar todo o processo legislativo anticlerical, a Primeira República aprova a chamada «Lei intocável», a Lei de Separação da Igreja e do Estado, a 20 de Abril de 1911, que permitia ao Estado português apropriar-se dos bens móveis e imóveis da Igreja secular, proibição do culto público, excepto se autorizado pelo Estado, introdução de comissões culturais nas paróquias e inclusive a concessão de pensões às viúvas e aos filhos dos padres católicos (repare-se até onde ia a provocação). Enfim, pretendia-se limitar ao máximo a actividade da Igreja Católica e a sua margem de influência nas estruturas sociais. Como não poderia deixar de ser, a Igreja Católica reagiu com veemência e em conjunto, considerando as medidas altamente atentatórias às suas liberdades e direitos. O regime republicano, na sua voracidade anticlerical, decreta a expulsão dos bispos e desterro por dois anos. A Santa Sé corta relações diplomáticas com Portugal. Muitos historiadores, inclusive alguns católicos, defendem que esta fase também foi positiva e que, de facto, a sociedade portuguesa de então precisava de reformas, nomeadamente uma justa separação entre Estado e Igreja. É verdade. Mas o que se questiona é a forma desastrosa e agressiva como tudo foi feito. Não era necessária a violência física, legislativa e verbal.
Com a chegada da 1ª Guerra Mundial, a tensão entre a Primeira República e Igreja Católica desanuviou um pouco, por força de se querer um forte consenso em relação à participação de Portugal na guerra e assim continuou até à queda da Primeira República, no ano de 1926. Por esta altura, são anuladas algumas medidas despropositadas e acintosas para a Igreja Católica e os progressos nas relações já eram de tal forma reconhecidos por ambas as partes, que foi decretada a reposição da paz entre o Estado português e a Igreja Católica, no dia 6 de Julho de 1928. Contudo, no figurino legislativo do Estado português ainda permaneciam alguns resquícios de anticlericalismo e de anticatolicismo e persistiam hesitações e indefinições nas relações entre o Estado português e a Santa Sé.
Ciente da necessidade de um código estável que regulasse as relações entre Portugal e a Santa Sé, António de Oliveira Salazar, chefe do Estado Novo, encetou negociações com o Vaticano, que vieram a culminar na Concordata, assinada por ambas as partes a 7 de Maio de 1940. A Igreja Católica passou a ter um conjunto de direitos e benefícios em ordem a desenvolver a sua acção, comprometendo-se ambas as partes a colaborarem, sem interferirem uma na outra. Chegava assim ao fim um período de animosidade e de afronta entre o Estado português e a Santa Sé, desde a instauração da República. Em 1975, a Concordata sofreu uma pequena revisão, com a introdução do direito ao divórcio civil para todos aqueles que tenham celebrado o casamento católico. Entretanto, no último terço do século XX, deram-se acontecimentos importantes: consolidação da democracia na sociedade portuguesa, lançamento de novos desafios pelo Concílio Vaticano II (1962-1965), integração de Portugal na União Europeia e a promulgação da nova lei da liberdade religiosa (igualdade de direitos entre todas as confissões religiosas e da liberdade religiosa para todos os cidadãos), em Abril de 2001. Facilmente se percebeu que a Concordata de 1940 estava desactualizada e precisava de ser seriamente revista. Por isso, em 18 de Maio de 2004, Durão Barroso, então Primeiro-Ministro, e o Cardeal Angelo Sodano, representante do Vaticano, assinaram a nova Concordata entre o Estado português e o Vaticano.
O balanço é positivo. Durante a maior parte do centenário, prevaleceu a sã convivência e o respeito mútuo. É inquestionável que Portugal deve muito à Igreja Católica, intimamente ligada à sua história e a Igreja Católica também deve muito a Portugal. Não seriamos o Portugal que somos sem a tradição cristã.
Estarão o anticlericalismo e o anticatolicismo definitivamente enterrados? Nos discursos oficiais parece que sim, mas nas decisões, de vez em quando, ainda se vão notando alguns tiques, o que não tem a mínima justificação. O Estado português não ganha nada em menosprezar uma instituição milenar como a Igreja Católica. Cada um à sua maneira, persegue o mesmo objectivo: o bem dos cidadãos, indo ao encontro das suas múltiplas necessidades. Por isso, devem colaborar, preservando cada um a sua independência, sem se combaterem e agredirem gratuitamente. Na celebração do centenário e tendo bem presente o seu passado, seria oportuno que a República desse uma palavra de confiança à Igreja Católica, afastando-se de vez as desconfianças e os preconceitos, de modo que se consolide a pacificação, assente numa franca cordialidade e serviçal entreajuda, a bem de Portugal.


publicado por minhasnotas às 11:34 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds