Sábado, 21 de Agosto de 2010

1.

A internet é, seguramente, a maior invenção e progresso dos últimos anos. As suas virtudes e possibilidades são estupendas. Quando, em nossa casa, abrimos o browser, sentimo-nos entrar num mundo novo, onde corre um grande rio de informação e de serviços, sentimos que temos todo o mundo a nossos pés. Nela, com toda a facilidade, quebram-se distâncias, que julgávamos inultrapassáveis. Criam-se relações em segundos, com pessoas de todos os cantos do mundo. Adquire-se informação em minutos, que antes demorava um dia ou dias. Eliminam-se encargos e obrigações, que antes nos faziam perder tardes ou manhãs. Obtém-se divertimento e distracção, que não passavam de uma miragem noutros tempos. E dizem os entendidos que as suas virtualidades ainda vão a meio. Mas se é certo que a internet é um veículo admirável para a informação, para o saber e para as relações humanas, também é certo que se está a transformar num instrumento de refúgio para a libertinagem mais primária e para a evasão e a alienação. A internet é um mundo sem lei. E onde não há lei, floresce a sensação de que vale tudo. Muitos que nela entram, escondidos na carapaça do anonimato, julgam que é um mundo onde se pode fazer e dizer o que se quer, sem qualquer respeito pelo outro ou pelos outros que estão do outro lado e sem qualquer preocupação moral. Para muitos, ela é o espaço onde podem ajustar contas com as suas antipatias e frustrações e despejar todas as suas raivas e ódios. Quando percorremos demoradamente o recente universo dos blogues ou passamos os olhos pelos comentários a artigos e sites da imprensa, encontramos um submundo onde anda à solta a javardice, a malcriadez e a boçalidade mais elementar, com reparos e insultos para todos os gostos, na sua maioria, gratuitos. Esta sociedade em que vivemos, não generalizando, como é óbvio, que se gaba de ser a sociedade da urbanidade, que gosta de se engalanar, por vezes com muita imposturice à mistura, para sessões de glamour e de gourmet, – significando isso que entrámos num patamar superior de socialização e convivência humana - tendo um pouquinho de liberdade a mais, não mostra senão que ainda pactua com a vil baixeza e má educação. É impressionante verificar que, apesar de vivermos na sociedade da informação e da ciência – nunca como hoje tivemos o conhecimento e a informação tão à mão – nem de longe nem de perto estamos a eliminar a parolice e a estupidez, não se interligando o saber com o devido crescimento humano.

Este submundo da internet lembra-nos mais uma vez a regressão moral que se deu nas nossas sociedades e que vivemos uma grave crise de valores, sendo necessário e urgentíssimo repensar a nossa educação e propor às pessoas, a começar pelas famílias e pelas escolas, a interiorização dos verdadeiros valores morais e humanos, que humanizam. De nada adianta saber muito para ser pouco, se é que realmente se sabe alguma coisa. A verdade é que esta sociedade da informação e do saber, lá no fundo, pouco informa e forma as pessoas. Hoje a informação está ao serviço da diversão e do espectáculo. Basta ver os nossos telejornais. Directos atrás de directos, contando mais a emoção e o espectáculo do que a informação em si. Não se faz uma síntese e não se informa o que realmente é importante informar. Trabalha-se e analisa-se pouco a informação ou os novos conhecimentos, sendo que pouco ou nada fica retido pelas pessoas e chega à vida, ou se chega é mais um trapo numa manta de retalhos. Não passamos de consumidores e ruminantes da informação, sem síntese e memória.

2.

Os últimos dados sobre o aborto só nos podem deixar preocupados e, ao mesmo tempo, perplexos, reveladores do mar de insensatez e contradição, senão mesmo irracionalidade, em que estamos mergulhados. Como se esperaria, o aborto aumentou desde que a nova lei entrou em vigor desde 2007, possivelmente porque o aborto clandestino se transferiu para o aborto legal, embora o clandestino ainda continue a ser praticado. Quando em 2007 se discutiu a nova lei, muitos dos seus defensores afirmaram que seria uma lei para dar a possibilidade à mulher de pontualmente interromper uma gravidez indesejada. Mas em muitos casos não é isso que se está a passar. O aborto está a ser usado como contraceptivo, com a anuência dos serviços de saúde. Muitas mulheres, sem qualquer consciência e responsabilidade, estão a abortar duas e três vezes por ano. É uma vergonha. Será que temos o direito de andar assim a brincar com o direito à vida? As razões, ou melhor, as petas, apresentadas para abortar, na sua maioria, são quase sempre as mesmas: impossibilidade de oferecer boas condições de vida ao nascituro, no momento actual, e outras prioridades para o casal, entre outras. E quando se lhes oferece os serviços de planeamento familiar, obrigatório a seguir a um aborto, são poucas as mulheres ou casais que lhe dão importância, vejam o número de faltas às consultas. Sejamos claros: a lei do aborto em Portugal está ao serviço da sexualidade irresponsável e libertina que impera na sociedade, e que, infelizmente, a nossa educação persiste em cimentar. É escandaloso todo este facilitismo à volta do aborto e a leviandade como se trata a vida, merecedora de todo o cuidado e respeito. Quando já somos o oitavo ou nono país mais velho do mundo, obrigando-nos isso a repensar seriamente o nosso apoio à família e à vida e como deveríamos conciliar vida laboral e familiar, ao invés, promovemos o aborto fácil e irresponsável, com total inconsciência e sem qualquer preocupação com o futuro. Como é triste ver muitas mulheres a desperdiçarem o auge da sua fertilidade, simplesmente porque o prazer e o comodismo falam mais alto. Ou começamos, quanto antes, a rever as nossas políticas e valores, ou não sei para onde é que isto vai. Alguém entende?

3.

Durante meses, as nossas brigadas morais europeias, algumas orgulhosamente anticlericais, com a devida conivência dos meios de comunicação social – falar mal da Igreja Católica vende sempre -, detentoras de um apurado espírito justiceiro e extremamente sensíveis aos desrespeitos da moral mais pura e politicamente correcta, degustaram-se com o saboroso manjar que foi a pedofilia dentro da Igreja Católica, em alguns países europeus. Apareceram sentenças para todos os gostos, todas clamando justiça severa. Obrigou-se, sem qualquer reserva ou cuidado, bispos e padres a retratarem-se, numa apoteose de autoflagelação e humilhação, que até chegou ao Papa Bento XVI, vasculhou-se o passado tenebroso e horrendo da Igreja, que, para muitos, não passa de uma instituição hipócrita, prenhe de lobos vestidos de cordeiros. Ficou assim claro que a sociedade jamais pactuaria com a pedofilia e que se esta acontecesse, não haveria a mínima piedade. Mas não demorou muito para muitos engolirem o que disseram e defenderam e para nos darmos conta de que afinal, sem a mínima coerência e com o maior desplante, temos dois pesos e duas medidas. A Suíça acaba de recusar a extradição de Roman Polanski, famoso realizador de cinema, para os Estados Unidos, onde está acusado de pedofilia. O mundo da arte e do cinema, sempre tão sensível aos abusos e injustiças da sociedade, exultou de alegria com a decisão. Então como é que é? Então para uns exigimos justiça máxima e a outros desculpamo-los? Ai se ele andasse de batina…E os meios de comunicação social, agora não falam e escrevem? Onde estão a vozes que pedem a condenação para o realizador? O mundo do cinema e da arte está acima do bem ou do mal ou da justiça? Mas o crime dele está mal explicado e já foi há muitos anos, dizem alguns. E os da Igreja? Alguém se preocupou em saber a verdade e o fundamento das acusações, com total isenção? Que necessidade houve de ir desenterrar actos cometidos há cinquenta e sessenta anos? Estou fascinado com a justiça magnânima das nossas brigadas morais. Bem-vindos ao mundo belo das nossas contradições. Quando se trata de fazer justiça a quem odiamos ou desejamos abater, o verdugo veste-se de uma maneira. Quando o mesmo crime bate à porta de quem gostamos, o verdugo veste-se de outra maneira. Grande moral e grande justiça. Estou espantado. Tenho muito medo de uma justiça que tem segundas intenções.



publicado por minhasnotas às 15:09 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds