Quinta-feira, 22 de Abril de 2010

1.O Jornal Expresso, na edição do dia dois de Abril, publicou uma reportagem, da autoria de Cristina Bernardo Silva e Joana Pereira Bastos, sobre a elevada ocorrência do suicídio na terceira idade. Os dados dão que pensar: em 2008, 456 idosos suicidaram-se em Portugal, aumentando de ano para ano; metade das pessoas que se suicidam são idosas, na sua maioria homens; a região do Alentejo é a que tem a mais alta taxa de suicídio. Todos temos culpa nestes números, porque damos pouca atenção e importância aos idosos e alimentamos um ambiente geral de indiferença pelos mais velhos. Alguém disse um dia, penso que Gandhi, que a grandeza de uma sociedade vê-se na forma como trata os mais frágeis.

Enquanto todo o mundo se escandaliza com os abusos que foram infligidos a crianças e adolescentes, sem dúvida condenáveis, parece que existem outras pessoas e outros números, e se quisermos, outros abusos que pouco ou nada nos importam. Como impera actualmente uma visão hedonista, produtiva e utilitária da vida, já se percebeu há muito que os mais velhos são o elo mais fraco nas sociedades actuais. Ao invés, centramos todas as atenções nas crianças e nos jovens, a quem não pode faltar nada, com uma parafernália de técnicos e especialistas ao seu dispor, mimando-os com tudo e mais alguma coisa, chegando-se até ao cúmulo de pedir créditos para os estragos que os meninos fazem ou poderão vir a fazer. Será que estamos bons da cabeça? Aliás, já estamos a sentir nas escolas as consequências da educação irresponsável e permissiva que tem estado em voga nos últimos anos. Como as crianças e os jovens têm excesso de atenção, ela falta para outros que não deveriam deixar de ter a mesma atenção, os idosos.

Fico furibundo quando ouço dizer que os mais velhos «já não servem para nada» e que, por isso, o melhor que fazem é encostarem-se a um canto como uns inúteis e, resignados, esperarem o dia da morte. Faz-se assim passar a ideia de que estão cá a mais, são um peso e um estorvo para os outros, que «têm mais que fazer» do que estar a perder tempo com quem já não tem saúde e não ganha dinheiro. Será que temos o direito de cometer tamanha desumanidade? Os mais velhos estão a pagar a factura da sociedade do bem-estar, que os sábios contemporâneos tentam construir a todo o custo. Porque quando se fala de bem-estar, fala-se em sentido egoísta – o meu bem-estar – desenvencilhando-me de tudo o que me importuna e estorva, sejam bens ou pessoas. Sem qualquer sensibilidade humana e social, e já nem digo gratidão, porque está em crise há muito tempo, condenamos os mais velhos a um fim de vida cheio de solidão, abandono, exclusão social, desespero e amargura, ao qual muitos não resistem, optando pelo suicídio. A ciência médica lança cada vez em maior número medicamentos que aumentam a longevidade da vida humana, não faltando quem se congratule com isso todos os dias. Mas para quê? Para se acabar assim, abandonado por tudo e por todos, sem uma réstia de carinho e de esperança ou a dar a impressão de que se é um empecilho para os outros?

É bom que se diga que as pessoas são o mais importante da vida e nada deve estar acima delas. Todos temos o dever de cuidar uns dos outros, sobretudo dos mais frágeis. Os mais velhos, que muito deram à sua família, aos seus amigos e à sua actividade, merecem um fim de vida digno e humano. E a nossa sorte é que temos uma rede de lares, que realizam um trabalho de grande apreço neste campo, porque, então, meus amigos, os números seriam bem piores.

Por outro lado, penso que é tempo de se repensar a velhice, nomeadamente na forma como a encaramos e na relevância social que lhe damos. Durante anos e anos construímos a ideia de que a velhice é a idade da apatia, da resignação, do não fazer nada «porque já nada vale a pena», reduzindo-se a vida a um acumular de experiências que se esgotam e não a uma grande experiência que realiza e se aprofunda. É um conceito pobre da velhice. Porque será que quanto mais vivemos, menos vontade temos de viver? Há aqui qualquer coisa que não está bem, humana e espiritualmente falando. Não esqueço que, como pessoas humanas, temos uma grande componente física, que declina com o passar dos anos.Com a velhice vem a doença, que por vezes tem uma força quase insuperável, a indisponibilidade para muita coisa, mas não deixamos de ser pessoas. E dá-me a impressão que pior do que perder a força física, é que chegamos à velhice sem estrutura mental e espiritual, reconciliados com a vida e o mundo. Pior do que termos um corpo velho, é termos uma alma (se quisermos, uma interioridade) velha, que nos impede de continuar a crescer como pessoas. A velhice proporciona-nos mais tempo para acções e actividades, que não exigem grande esforço, para as quais nos queixámos de não ter tempo durante a vida e que podemos aproveitar para nos humanizarmos.

2.Os casos de pedofilia cometidos por padres católicos, sem dúvida inexplicáveis, continuam no centro das atenções. Como não podia deixar de ser, estamos a entrar na fase do empolamento, que não tem a mínima justificação, com muitas mentiras, manipulação de informação e sensacionalismo. São actos que foram cometidos por uma pequeníssima parte dos membros do clero. Não tenho a mínima dúvida de que há alguém que quer atacar os fundamentos e a autoridade da Igreja Católica. Porque se a sociedade está assim tão preocupada com a pedofilia, porque é que nos Estados Unidos da América foram condenados seis mil professores de ginástica pelo mesmo crime e ninguém fala disso? Porque é que nos Estados Unidos os pastores protestantes cometeram maior número de delitos ligado à pedofilia e nem de um caso se houve falar? A sociedade estará assim tão pura e inocente para poder julgar impiedosamente a Igreja Católica? E não esqueçamos quantos padres não estarão a ser acusados injustamente, começando-se a saber agora que ainda são muitos, porque muita gente está à espera de fazer negócio com isto tudo, porque para muitos a justiça é negócio. Como o que se passou com o grande musicólogo, o Cónego Ferreira dos Santos, Cónego da Lapa, no Porto, descobrindo-se que era um indivíduo que andava a fazer chantagem, acusando-o injustamente de pedofilia. Alguém se preocupa agora com a boa fama do Cónego?



publicado por minhasnotas às 15:20 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds