Sábado, 20 de Março de 2010

 

Estamos no tempo da Quaresma, um tempo de graça e salvação que nos vai levar até á Páscoa, a grande festa cristã. Diante dos últimos acontecimentos e factos, uma quaresma bem vivida poder-nos-ia ajudar a ultrapassar muitos problemas, tanto a nível individual, como comunitário. Ora vejamos.

A quaresma é tempo de oração. Ao ponto a que está a chegar a nossa dívida pública e o nosso endividamento, sendo que uma grande parte do nosso PIB será para a sua futura liquidação, não resta ao governo senão começar a clamar uma intervenção divina, porque já não há orçamento que arrume a casa e, pelos vistos, ninguém está disposto a baixar o seu nível de vida e a mudar os seus hábitos. Durante anos e anos, o país andou a viver acima das suas possibilidades, com dinheiro emprestado. Agora começam a chegar as facturas. Como é que a as vamos pagar, com tão baixo crescimento económico e tanto comodismo dos cidadãos? Vamos rezando, talvez o milagre aconteça…Com menos apego aos bens materiais e ao consumismo daríamos um bom contributo.

A quaresma é tempo de penitência. Sei que num mundo de «boas pessoas», em que parece que ninguém tem nada a ver com o mal que vai acontecendo, propor a penitência pode parecer algo descabido e até a roçar a arrogância. Mas olhem que não. Penso que já era tempo de alguns juízes se penitenciarem das suas sentenças, de alguns funcionários da justiça se penitenciarem dos atropelos injustificáveis ao segredo de justiça, de muitos jornais e televisões pedirem perdão por quererem aumentar as suas audiências e tiragens pactuando com violações ao segredo de justiça, assobiando para o lado quando vêem pessoas a ser julgadas e enxovalhadas na praça pública, de muitos políticos e seus acólitos pedirem ao menos desculpa por terem faltado à verdade, quando enfrentaram os cidadãos olhos nos olhos. Um pouquinho de penitência não faz mal a ninguém.

A quaresma é tempo de jejum. Alguns jornalistas bem podiam fazer algum jejum de palavras, pois cada vez que falam ou escrevem parece que é só para alimentarem polémicas e ajustes de contas. De controvérsia e polémica está farto o país sério e trabalhador. Como as escutas o revelaram, algum jejum de palavras também poderiam fazer alguns membros do governo e gestores de empresas públicas, com requintes de maledicência e rudez que nada lhes ficam bem. Muitos chicos-espertos, que por aí andam, também faziam bem em fazer algum jejum das suas maquinações e habilidades para atingirem cargos para os quais não são competentes, não se valendo apenas de serem amigos deste ou daquele, e quem diz atingir cargos, diz obter préstimos e serviços pouco claros e por meios pouco claros. Jejum de palavras também poderiam fazer alguns deputados, já que,  para eles, estar na política é passar o tempo em ataques pessoais, guerrilhas e intrigas partidárias, que deixam os cidadãos cada vez mais desiludidos com a política.

A quaresma é tempo de partilha. O desnível de salários, em Portugal, é escandaloso. Por muito competentes que os gestores possam ser, nada justifica os salários principescos que auferem, que fazem bradar aos céus. E o mais intrigante é não se vê ninguém com coragem e com sentido de justiça, que esteja disposto a alterar a situação. Ó senhores gestores, que tal pensar um bocadinho mais nos outros? E quem diz os gestores, diz os directores, subdirectores, e por aí fora, das empresas públicas e outras instituições do Estado. Não é porque atingem lucros para além das expectativas que merecem um tratamento de excepção, ainda por cima pago com o dinheiro dos contribuintes.

A quaresma é tempo de renúncia. Em Portugal, telefona-se demais. E quando se telefona não é pelas melhores razões. O muito dinheiro que é gasto a congeminar estratégias para amansar empresas ou grupos económicos, ou a construir impérios, poderia ser aplicado no bem de todos e não apenas de alguns.

Digam lá que, se se levasse a sério a Quaresma, não teríamos um país diferente?

Ironias e reparos à parte, espero que todos os cristãos estejam a viver a sério a quaresma. É o tempo favorável para renovar a vida cristã, rebuscando a frescura do baptismo e combatendo o mal, sob todas as suas formas, presente na vida. Somos levados por Deus ao deserto para reorientar a vida e recuperar o essencial: a nossa identidade de filhos de Deus, que devemos procurar aprofundar. A quaresma é, sobretudo, um tempo para redescobrir Deus e o próximo, que é nosso irmão. «Só a Deus adorarás», disse-nos Jesus no primeiro Domingo quaresmal. Mas para o adorar temos de o descobrir e senti-lo próximo da vida. Para muitos cristãos, Deus é uma ideia ou um conceito, para outros é um conjunto de permissões e proibições, pouco amigo da alegria de viver. É preciso redescobrir-mos o Deus que dá sentido à vida e que é a fonte dessa mesma vida. O deus que torna a vida uma festa e um banquete de vida sem fim, ajudando-nos a combater o mal e o pecado e a enfrentar a morte. Muitos cristãos celebraram os sacramentos da iniciação cristã, mas não descobriram o rosto de Deus. É preciso estabelecer uma relação mais sólida e profunda com Deus e com a Igreja.

Continuação de boa quaresma para todos.


tags:

publicado por minhasnotas às 14:41 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds