Sexta-feira, 5 de Março de 2010

Quem contacta com a realidade do nosso concelho todos os dias, como é o caso de nós, párocos, não deixa de perceber que o concelho está a perder, de forma preocupante, a sua maior riqueza: as pessoas. Umas porque entraram no descanso eterno, e são muitas, outras porque vão para os meios citadinos e outras ainda porque emigram e também são muitas. As nossas aldeias, que são a força do concelho, estão a ficar com poucas pessoas e, na sua maioria, são pessoas de meia-idade e idosas. Mais uma década ou duas, não será leviano afirmar que muitas aldeias parecerão escombros de tempos idos. Após alguns minutos de conversa, não demora muito este tema a vir ao de cima, umas encolhendo os ombros, lamentando-se e sentindo-se impotentes, olhando com melancolia para o fundo das ruas enlameadas, que noutros tempos faziam gemer juntas de bois e batucar socos e eram espaços de forte confraternização, outras falando com saudade dos tempos da sua juventude, em que, apesar de serem tempos duros, eram tempos alegres e de vivacidade, com muita «malta», esboçando um meio sorriso, talvez porque ainda acreditem que um dia ainda se poderá regressar a esses «bons tempos», embora de outra forma.

Para além de outros factores, não é difícil de compreender que tudo isto se deve ao abandono da interioridade por parte do governo central, ao longo dos últimos anos, centrando-se a industrialização e a comercialização nas cidades ou noutros pontos estratégicos. Ao interior foram chegando apenas algumas migalhas de investimento. Aliás, não vai demorar muito o país a perceber que cometeu um erro crasso ao permitir o desenvolvimento de forma desequilibrada. Não há balança que funcione só com um prato. Por outro lado, a agricultura e a pecuária, como sempre, actividades cansativas, tornaram-se pouco lucrativas – e muitos ainda as vão mantendo porque está em causa a sua sobrevivência e dificilmente se adaptariam a outra actividade –, o que levou muitas pessoas a irem à procura de emprego nos grandes centros ou a emigrarem para os outros países europeus. Em grande número, as pessoas que podem assegurar o futuro do concelho e que o podem revitalizar não estão cá. Isto deve merecer uma séria reflexão de todas as forças vivas do concelho.

Já notei que a situação do concelho está no centro das preocupações de muitos barrosões, que orgulhosamente defendem a sua terra e que ansiosamente olham para o seu futuro. Alguns, talvez porque contactaram com outras realidades e estão dentro dos assuntos, vão apontando erros e soluções. Mas fica tudo muito disperso e anónimo. Daí que deixo a minha sugestão, acreditando que do diálogo nasce a luz: organizar, de forma despartidirizada, com todas as forças vivas do concelho, em tempo oportuno, umas jornadas de debate e reflexão sobre a realidade do concelho, em ordem a se debater a sério os problemas do concelho, iluminados por alguns especialistas em interioridade e ruralidade, que seriam convidados para algumas conferências. Seriam um tempo para se dar voz aos presidentes de junta, às associações presentes no concelho, aos empresários, aos licenciados e doutorados, às escolas e outras instituições, assim como a todo e qualquer barrosão que ache que tem algo de bom a partilhar e não tenho a menor dúvida de que há muito barrosão que tem coisas interessantes a dizer. Ouvir a população barrosã é uma boa maneira de a estimular e integrar nas soluções. Hoje está mais que provado que temos que trabalhar em rede e em conjunto uns com os outros e desengane-se quem pensa que tem a solução para todos os problemas. Com as jornadas, poderíamos tomar pulso ao concelho: como está a população, quantos idosos temos, jovens, crianças, emigrantes; o que fazem; as actividades que temos e a sua viabilidade; as zonas mais ricas e as zonas mais pobres; quais as riquezas a explorar; os erros a evitar; quais as causas da situação actual e por aí fora. É sempre bom definirmos o que queremos e o que não queremos. Após o debate sério e fecundo, apontar-se-iam prioridades e firmar-se-ia um pacto para se trabalhar em conjunto. Face à realidade que os concelhos do interior estão a enfrentar, o pior que nos pode acontecer, penso eu, é andarmos a trabalhar de forma desarticulada e ao sabor das intuições de cada um. Está na hora de se reconhecer que a sobrevivência do concelho passa por estarmos unidos no essencial e divergentes no acessório. Claro que um debate sério não poderá deixar de apontar os erros que foram cometidos nas últimas décadas e de denunciar a indiferença e o egoísmo de quem só pensa em si e vive para o mundo dos seus interesses e tem pouco amor à sua terra, estando sempre à espera que os outros resolvam tudo, ou que a situação actual do concelho se deve também a muito imobilismo e comodismo. Mas é algo que não poderá deixar de se fazer.

Sei que para muitas pessoas, este tipo de incitativas é perda de tempo e que, por muito boas que sejam as intenções, acham que acabarão por resvalar para as trincheiras partidárias, resumindo-se em acusação a quem está ou a quem esteve no poder. Mas isso também é um dos males em barroso: arrasta-se tudo para as guerras partidárias e não se percebe que ninguém ganha nada com isso. Não diz o ditado que é falar que a gente se entende?

 


tags:

publicado por minhasnotas às 22:30 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds