Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010

1.D. Manuel Clemente, actual Bispo do Porto, recebeu o Prémio Pessoa de 2009, galardão de 60 mil euros atribuído pelo jornal Expresso, com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos, a personalidades que se distinguiram ao longo do ano nos campos artístico, científico ou literário ou que tenham tido alguma intervenção assinalável no melhoramento da sociedade. A atribuição do prémio a uma eminente figura da Igreja apanhou alguns de surpresa, outros manifestaram a sua discordância, nomeadamente alguma esquerda (já é tempo de alguma esquerda em Portugal perceber que não é proprietária da cultura e que a Igreja tem um grande contributo a dar para o crescimento da sociedade e merece todo o respeito), mas, para uma maioria, é inquestionável a justiça na atribuição do prémio. O Júri, presidido pelo Doutor Francisco Pinto Balsemão, apresentou as razões do galardão: D. Manuel Clemente desenvolveu uma grande acção a favor da «tolerância, do combate à exclusão e de intervenção social», e tem sido uma voz activa e determinada, «num ano e num tempo em que a pobreza e a fome são realidades».

De facto, e na senda dos bispos do Porto, D. Manuel Clemente tem sido uns dos bispos mais interventivos da Igreja, alertando, com perspicácia, para os problemas hoje presentes na sociedade e apelando a amplos debates e reflexões para se encontrarem soluções equilibradas, enraizadas nos valores que há muitos séculos tecem a sociedade portuguesa e europeia. Como homem da cultura, é um bispo com grande bagagem cultural e com grande poder de comunicação, munindo-se de uma linguagem simples e directa, sem malabarismos literários, chegando, por isso, com facilidade às pessoas. A sua capacidade de dialogar e ouvir quem pensa diferente, que deve ser apanágio da Igreja, tem sido notável. Paulatinamente tem ganho o estatuto de ser, hoje, uma grande referência para a sociedade portuguesa, como também o são outras figuras da Igreja. Guardo na memória uma conferência que realizou na Universidade Católica do Porto, era eu estudante, em que apresentava a evolução histórica europeia dos últimos séculos. Primou pela concisão e clareza e gostei da forma como olhava a história, não como uma sucessão de nomes e datas – como infelizmente e tediosamente aprendemos a estudar história, o bom aluno era o que decorava tudo e não o que aprendia a ler e a pensar com a história – mas como um legado para o homem aprender a viver e descobrir caminhos em direcção a um ideal e uma meta que persegue, tanto como homem como sociedade. O mais importante é o que aprendemos com a história e não o que aprendemos da história e perceber as aspirações e anseios que movem o homem, embora não esquecendo o caudal dos homens e acontecimentos concretos que dela fazem parte.

Atento, como sempre, aos últimos acontecimentos e propostas, já manifestou a sua discordância relativamente à ideia lançada pelo vice-presidente da Associação Empresarial de Portugal, Paulo Nunes de Almeida, de se reduzirem os feriados por causa deste período excepcional que estamos a viver. Seria uma boa medida par se aumentar a produtividade e o crescimento do PIB. Mas será que um ou dois feriados resolvem assim tanta coisa? É preciso trabalhar mais ou melhor? D. Manuel Clemente salientou que «ter momentos de celebração é, também, uma boa maneira de combater a crise», «se forem ocasiões aproveitadas criativamente, serão, certamente, um óptimo factor de produtividade e de encontrarmos razões acrescidas para continuarmos». Porque é que nunca ocorre aos nossos empresários não pensar tanto nos lucros ou reparti-los melhor com os bons trabalhadores que estão ao seu serviço? Não é extremamente provocante ver propor medidas para fustigar os trabalhadores e depois apresentar lucros astronómicos?

Questão, onde D. Manuel Clemente tem tido grande intervenção e visibilidade, é a do casamento de pessoas do mesmo sexo. Na sua opinião, é necessária bastante ponderação e uma ampla reflexão, sobre uma questão que pode ser profundamente fracturante para a sociedade portuguesa. Para ele, «temos assistido a uma deriva libertária que vai no sentido de que eu desejo pura e simplesmente, eu quero assim e isso é razão e quase que moral suficiente para seguir independentemente do que os outros pensem ou do que as instituições me peçam, sem ter de dar satisfações a ninguém. Esta deriva do liberal para o libertário está aí». De facto, há que admitir que permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo é um desafio aos nossos princípios e valores e poderá levar a uma descaracterização das nossas sociedades, com danos incalculáveis. A questão é complexa e em vez de andarmos com pressa a condenar ou a manifestar concordância, agarrados a chavões do passado que escondem muita hipocrisia e incompreensão, seria bom que se desse espaço ao diálogo e à reflexão. Infelizmente, hoje em dia, ouvimo-nos pouco uns aos outros. Definimos um dos lados da barricada e depois passamos o tempo a recolher argumentos para derrubar os argumentos do outro, não nos dando conta das incoerências e dos exageros que cometemos. Honestamente, neste momento, nem sou contra nem sou a favor, embora sou levado a ser contra porque acredito profundamente na família, com um pai e uma mãe, sem a qual uma sociedade dificilmente poderá ter equilíbrio e uma vida saudável. Mas as perguntas são muitas para ambos os lados e quero aqui deixar o meu contributo para uma reflexão séria e sem preconceitos. Uma questão que ainda falta dirimir – e que para mim desempenha um papel fulcral – é como entendemos a homossexualidade. É normal ou é um desvio de uma sã sexualidade? Há dias, o Conselho Nacional Executivo da Ordem dos Médicos reafirmou que não existe qualquer tratamento para a homossexualidade. Apoiado num parecer do Colégio de Psiquiatria, este órgão entende que a homossexualidade não é uma doença, mas sim uma variante do comportamento sexual. Se é normal, o homossexual tem os seus direitos e merece outra consideração da nossa parte. Se não é normal, temos que lhe dizer que se vá curar, porque ainda não deu um passo, que é descobrir a alteridade e aprender a viver para a complementaridade. Mas o que fazemos com as pessoas que não ultrapassam a sua homossexualidade? Condenamo-las, como fizemos durante séculos, ao silêncio e ao vexame público? Mas também não será que com a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo estamos a ser cúmplices de um devaneio ou de um capricho de uma sociedade sexualista, que vive obcecada pelo prazer sexual, não olhando a meios para atingir os fins? Não será a homossexualidade uma criação e uma obsessão tonta das sociedades contemporâneas? Mais complexa é a questão da adopção de crianças, por estar em causa o seu são crescimento e a sua liberdade, não se adoptam crianças sem mais nem menos, por capricho, mas há perguntas que não poderemos deixar de fazer. Que certezas temos que é necessário crescer com a masculinidade e com a feminilidade? A vida ensina-nos que deve ser assim, e digo a vida, porque os estudos científicos escasseiam e não são conclusivos, mas não faltam pessoas na nossa sociedade que só cresceram entre tios ou tias ou só com o pai ou só com a mãe e não deixam de ser pessoas boas e equilibradas. O que é preferível para muitas crianças: deixá-las crescer às quatro pancadas num lar onde reina o alcoolismo e a miséria ou dar-lhes a possibilidade de crescer num lar onde é amada e lhe são oferecidas todas as condições para crescer com dignidade? É verdade que o casamento é uma instituição intrinsecamente ligada à união entre um homem e uma mulher, que se prestam a servir a vida e a constituírem uma comunidade de vida e de amor. Mas qual é a razão do casamento: a procriação ou o amor? Alguns casais tomaram a opção de não ter filhos e não deixam de ser um casal e uma família. Ninguém pediu a anulação do seu Matrimónio. Como vemos, as coisas não são preto e branco, como tantas vezes as fazemos.

 

2.Um dos valores que mais prezamos é a nossa privacidade e intimidade. Estamos logo prontos a levantar a voz e a apontar o dedo em riste a quem se dedique a este tipo de intromissões. Um dos valores inquestionáveis em qualquer civilização é o respeito pela privacidade das pessoas. Mas, infelizmente, há autoridades e instituições que se sentem no direito de passar por cima dos valores mais elementares, quando até deviam ser os seus promotores e zeladores do seu respeito. O Parlamento Europeu dá-se ao luxo de perguntar o seguinte aos candidatos a assessores dos eurodeputados: Bebe? Fuma? Tem hemorróidas? Quando foi que teve a última menstruação? Como assim? Mas estas coisas perguntam-se a alguém? Que discreto é o Parlamento Europeu…Algumas perguntas ainda têm cabimento, mas outras nem ao diabo lembram. Ao mesmo tempo, cada candidato tem de apresentar análises e exames de vária ordem, que doenças já sofreu, qual o historial da sua família, se é hipertensa ou se já teve casos de cancro ou de doenças mentais, e por aí fora. Como sempre, há que tentar constituir um grupo de puritanos. Como somos tão pródigos em promover a discriminação e a segregação entre as pessoas. Quando será que aprendemos a olhar para as pessoas porque são pessoas e para o seu valor, esquecendo tudo o resto?



publicado por minhasnotas às 16:56 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds