Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

É um dos temas mais queridos, e que suscita mais intriga, nas conversas entre cristãos e quase sempre mal compreendido e interpretado, considerando muitos que o celibato já não tem grande valor e razão de ser. Não há cristão leigo que não alinhe pelo mesmo diapasão: “os padres deviam-se casar, ter uma família como os outros”. “Não faltariam vocações e mais padres”, dizem outros. Não é bem assim, caros amigos. Tenho pena em dizê-lo, mas entre os nossos cristãos e na sociedade em geral há uma grande ignorância e muita superficialidade à volta deste tema. Além do mais, vivemos num mundo sexualista e erótico, que todos os dias nos vende a ideia de que quem não tem sexo ou uma vida sexual activa é um infeliz, uma pessoa não realizada, um frustrado a quem a vida passa ao lado, o que é um exagero, como se não houvesse mais vida para além da sexualidade e como se esta se reduzisse à genitalidade. Está aqui a fonte de infelicidade para muita gente, hoje em dia. Como dizia o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, no simpósio em Fátima: “Na mentalidade contemporânea, não é tanto o celibato que choca, mas a continência no celibato”. O amor não se pode viver de várias formas? Onde é que está escrito que toda a gente tem que se casar? Não sou a pessoa mais douta neste campo, nem de longe nem de perto, mas vou tentar ajudar a compreender o tema (opção) em alguns pontos, dando-lhe uma tonalidade teológica e descomplexada. Seria fácil ser polémico, dizendo que sou contra o celibato, uma norma já com alguns séculos dentro do catolicismo. Mas não sou contra, sou a favor. Ter homens totalmente consagrados a Deus e à Igreja é uma riqueza de que a Igreja não pode prescindir. Ser livre? É um debate que a Igreja deverá fazer um dia, com honestidade.

1.A razão de ser do celibato é Cristo. Como escreve o Papa Paulo VI, na Encíclica Sacerdotalis Caelibatus, «a verdadeira e profunda razão do celibato é a escolha duma relação pessoal mais íntima e completa com o mistério de Cristo e da Igreja, em prol da humanidade inteira». O celibatário, como é o caso dos padres, é alguém que fez a opção de se entregar exclusivamente e totalmente a uma pessoa, neste caso Jesus Cristo, e a viver indivisamente essa entrega ao longo de toda a sua vida, entrega essa que se estende a toda a igreja e a toda a humanidade. Este é o ponto essencial.

2.O celibato é um carisma e uma vocação. Quem é padre, no momento em que optou por sê-lo, optou também pelo celibato, entendido como uma graça de Deus, para se viver exclusivamente para Ele. Logo, o celibato não é uma imposição ou uma obrigação, como é visto por muitos (…coitado do padre, vai ter que viver com esta imposição toda a vida), é uma opção livremente assumida. A igreja chama a ser padre quem opta pelo celibato, como carisma dado por Deus para o servir. Quem não opta pelo celibato ou o descobre como dom de Deus não pode ser padre.

3.O padre não renuncia à sua sexualidade e muito menos a reprime (e como a palavra sexualidade está empobrecida e é tão mal compreendida nos dias de hoje). Renuncia ao exercício da genitalidade, que é outra coisa. Mas então o padre não é um homem como os outros, com atracção sexual e impulsos sexuais? É óbvio que é e não está imune a ter as suas fraquezas neste campo. Como todo o homem, tem as suas tensões sexuais, que procurará dominar e integrar, sem recalcar, nos dinamismos do seu celibato, com alguma ascese e autodomínio, mas sobretudo no aprofundamento de um amor oblativo a Cristo, para quem vive exclusivamente, e à igreja.

4.Vemos assim que o padre não é um “solteirão burguês”, assexuado e que não gosta de mulheres, como me diziam aqui há uns anos uns cristãos piedosos (esta está boa!). Confesso que demorei alguns segundos a piscar os olhos, tal era a estupefacção. Que conceito tão descabido e infeliz do celibato, que nem comentários merece.   

5.O celibato não existe para o padre ter mais disponibilidade e liberdade para servir os outros. Isso são consequências do celibato e não a sua razão última, como defendem alguns. Não faltam casais com grande disponibilidade dentro da igreja.

6.Porque é que os padres não se casam? Porque livremente acolheram o dom do celibato na sua vida e entregaram-se totalmente a Cristo, com quem procurarão viver em amor total, e em nome dele estar inteiramente ao serviço da igreja e do Reino de Deus. É certo que não é uma decisão fácil e implica muita maturação. Há uma série de coisas de que se tem de abdicar com algum sofrimento, nomeadamente o “sonho do matrimónio”, entre outros. Mas a vida ensina-nos que temos que perder numas coisas para se ganhar noutras. Um homem descobriu um tesouro num campo e vendeu tudo o que tinha para comprar aquele campo e assim ficar com o tesouro…


tags:

publicado por minhasnotas às 14:30 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds