Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

Estão-se a aproximar dois actos eleitorais de extrema importância, que facilmente mobilizam o país de Norte a Sul. Desde já deixo o apelo a todos para que exerçam o seu direito e dever de votar. Como cidadãos activos e responsáveis que todos devemos ser, é injustificável o não exercício do voto. Votar é a única forma de legitimar o que se está a fazer bem ou de mudar o que se está a fazer mal. Reafirmo: passar a vida a criticar tudo e todos e depois não ir votar, colocando-se de fora, é inaceitável e merecedor da maior reprovação. Contudo, eu compreendo alguma desilusão e desencanto de muitos eleitores portugueses e é sobre ele que me vou debruçar. Na verdade, o estado da política actual soma pontos todos os dias como um dos factores mais decisivos para a abstenção. 

De facto, quando contemplamos o panorama político português, as movimentações dos partidos, o debate político e a forma como se faz política em Portugal, não poderemos deixar de abanar a cabeça e de estampar no rosto o desânimo. É óbvio que não estou a generalizar. Há muita gente séria e competente, com espírito de missão, que está no mundo da política com nobreza e que tem prestado um serviço de extrema importância ao país, com grande visão. E que pena é muita gente capacitada não ocupar mais cargos políticos em Portugal. Mas também é verdade que anda muita gente na política que não faz lá falta nenhuma, que não tem senão contribuído para a deterioração e descredibilização da actividade política e do debate político. 

Um dos aspectos que mais contribuem para o actual desencanto da política é que não há pensamento. Não há ideologia, não há uma reflexão séria e um debate sério de ideias dentro dos partidos, em primeiro lugar, e depois no debate público (embora pareça que se está a recuperar algum confronto ideológico, mas mesmo assim é muito tímido). Impera um deserto de ideias. Se a politica tem algo de cativante e apaixonante é que permite o exercício da inteligência e o confronto e diálogo de ideias. Os partidos políticos têm-se limitado a propor soluções e medidas correctivas e pontuais para os problemas, mas sem grande sustentabilidade intelectual. Leiam-se os programas eleitorais dos partidos. Estão ali horas e horas de transpiração intelectual…A democracia vive de ideias e de soluções para o futuro e não de tentativas de culpabilização pelo estado do país, como fazem os partidos políticos. Os debates televisivos e parlamentares, por norma com pouca elevação, confundindo-se arrogância com espírito combativo e determinação, são medíocres e frouxos, sobrando em gritaria o que falta em ideias. Acabam sempre na crítica fácil, no bota a baixo sem qualquer sentido, no passadismo (o que se fez ou deixou de fazer), parecendo às vezes que a principal preocupação dos partidos é mostrar o que foi menos desastroso, e no contradizer por contradizer para atrapalhar e embaraçar o adversário. Alguém tem memória de um bom debate a que tenha assistido, com ideias e substância?   

A vida política é um serviço e uma missão, não é uma carreira. Quem vai para a política deve ir com o intuito de servir os outros e não de à custa dos outros atingir objectivos individuais e egoístas e enriquecer um currículo. É repugnante ouvir-se falar de “homens de sucesso” na vida política. O sucesso que importa é o sucesso de todos, o do país. É repugnante ouvir-se falar em “homens com ambições políticas” na vida política. Só há uma ambição: o bem-estar de todos e o progresso do país. Há que limpar a política de quem a não quer servir como deve ser ou de quem a só quer para êxitos pessoais. É inadmissível que os partidos políticos cedam à tentação de serem agências de emprego para uns quantos oportunistas que estão sempre à espreita de um “lugarzito”, para governarem a vidinha e obterem facilidades para outros objectivos.

O poder tem de ser exercido por alguém e só por si não tem grande valor senão estiver ao serviço de um grande projecto de ideias e soluções. Querer o poder pelo poder é obsceno. Mas infelizmente, hoje em dia, os partidos políticos mais não parecem que máquinas de assalto ao poder. É facilmente perceptível que o que se pretende é ter poder, dominar e impor. Poder fazer meia dúzia de decretos e poder dar meia dúzia de ordens, para se mostrar quem manda, põe muita gente da política nas nuvens.

A política tem a obrigação de dar exemplo e de se pautar pelos mais altos padrões morais, para merecer a confiança das pessoas, e por isso é inaceitável a banalização da mentira e da desonestidade na actividade política. De quatro em quatro anos abre-se a feira das fantasias e das ilusões: em grande alvoroço, fazem-se campanhas eleitorais onde se promete tudo e mais alguma coisa e se apresentam programas eleitorais com boas intenções, mas que outra finalidade não têm que caçar votos e iludir os mais incautos (e que medíocre é a qualidade e a forma dos discursos nas campanhas eleitorais). Passados uns dias e obtida a possibilidade de estar no poder, rasgam-se com toda a tranquilidade e outros interesses mais altos, que todos sabemos quais são, se levantam. Mas, com toda a prontidão e destemor, as mesmas pessoas, que venderam mentiras, sem qualquer remorso, apresentam-se de novo a eleições (escrevo isto tendo em conta os últimos trinta anos de Portugal). Isto é normal? Até quando permitiremos que a política seja um circo sem graça? Neste aspecto, todos temos muita culpa. Por muita cegueira partidária e ferrenhice bacoca, temos legitimado este estado da política. Há que imprimir maiores níveis de exigência, rigor e seriedade à actividade política e a quem quer fazer parte dela.   

Diante desta realidade, persiste a pergunta: em quem votar? Claro que se deve votar, e em quem cada um é que sabe, mas o quanto vai ser difícil escolher um quadradinho para pôr uma cruz…



publicado por minhasnotas às 15:51 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds