Sábado, 22 de Agosto de 2009

No dia 29 de Junho deste ano, dia da Solenidade dos Apóstolos S. Pedro e S. Paulo, o Papa Bento XVI publicou a sua mais recente Encíclica: “Caridade na Verdade”, sobre “o desenvolvimento humano integral na caridade e na verdade”. O que é uma encíclica? D. Manuel Franco Falcão define assim na sua Enciclopédia Católica Popular: «Documento solene do Papa, normalmente di­rigi­do aos membros da hierarquia, aos fiéis e por vezes também aos ho­mens de boa vontade», onde o Papa expõe aspectos dogmáticos e doutrinais, exercendo assim o seu magistério ordinário, sendo certo que uma «encíclica não define um dogma, mas actualiza a doutrina católica através de um ensinamento ou um tema da actualidade e é vista como a posição da Igreja Católica sobre um determinado tema». Duvido que os mesmos jornalistas que esperaram o Papa na sua visita a África, preocupados em sacar afirmações controversas ao Papa, como foi a do uso do preservativo, que ainda, possivelmente, se refazia de algum cansaço e sonolência, tenham estado na apresentação desta encíclica. Ler assuntos sérios, pensar e reflectir a sério, com profundidade, precedido de um aturado estudo, dá muito trabalho e interessa a pouca gente. Muito jornalismo, actualmente, só anda atrás de sound bites e de parangonas fluorescentes, que só servem para encher páginas de jornais durante alguns dias, acolitado pelos habituais “opinion makers”, que sabem um pouco de tudo e um pouco de nada, sem se querer pensar de forma consistente, com total indiferença pela substância e pela verdade das coisas. É o que hoje se chama a “informação do entretenimento”, ou “informação espectáculo”. Informa-se para entreter e fazer espectáculo, destacando-se os excessos e reacções e contra-reacções, e não para se debater a sério. É um dos dramas do mundo contemporâneo: pensa-se e vive-se muito à superfície, sem um pensamento consistente, com total desprezo pela verdade última e sentido último dos acontecimentos e dos factos da vida e existência humana.  

Tendo como pano de fundo a crise, que é o somatório de crises de vária ordem, que ainda se faz sentir por todo o mundo, ao longo de várias páginas densas, que exigem uma leitura lenta, com uma grande abrangência, o Santo Padre Bento XVI discorre sobre os vários problemas que se colocam hoje à humanidade do ponto de vista politico, financeiro, económico, social, ambiental, humano, entre outros e aponta caminhos e valores que devem estar presentes nas novas soluções, sob o ponto de vista cristão católico. Meio mundo está à espera que esta tempestade passe, para se voltar ao mesmo. É um equívoco que é preciso combater afincadamente. Um dos aspectos que o Papa sublinha ao longo da encíclica é que é preciso encontrar um novo paradigma de desenvolvimento e os problemas têm hoje uma nova dimensão e complexidade, exigindo por isso novas soluções. A crise que vivemos não é senão um sintoma da perversidade da ideologia e do sistema em que o mundo está assente. É urgente encontrar novos procedimentos, um novo sistema de valores e relações, alicerçado na responsabilidade e direccionado ao bem comum de cada país e da humanidade, integral, assimilador das várias dimensões humanas, novos horizontes que dêem solidez à caminhada humana, assentes na verdade. A primeira frase da encíclica é lapidar: «A caridade na verdade, que Jesus Cristo testemunhou com a sua vida terrena e sobretudo com a sua morte e ressurreição, é a força propulsora principal para o verdadeiro desenvolvimento de cada pessoa e da humanidade inteira».

Hoje, é por demais evidente que é preciso “civilizar” a economia, que nos últimos anos ousou percorrer os meandros da irresponsabilidade e da imoralidade. A economia deve estar ao serviço do homem e não o contrário. Há que condenar a vontade mascarada de construir impérios, com vontade de dominar. Há que condenar o “multinacionalismo” viajante que vigorou nos últimos anos, que só pensa nos lucros e está-se marimbando para os bem dos trabalhadores. Há que condenar a “ditadura do lucro”, que tem cegado os empresários nos últimos anos. O lucro, sem deixar de ser importante, não é tudo. Mais importante é quem o produz. Há que condenar o excesso de horas a que muitos trabalhadores estão sujeitos em nome das metas, ditas mais elevadas, das empresas. Há que repensar seriamente a produção desenfreada sem qualquer respeito pelo meio ambiente. Há que desarmar os “aventureiros”, que profundamente conhecedores das falhas das leis e dos sistemas, se dão ao luxo de enriquecer imoralmente, sem qualquer preocupação com o bem dos outros e com o seu futuro.   



publicado por minhasnotas às 00:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds